domingo, 9 de janeiro de 2022

As profecias se cumprirão: "não se reelege, não fará sucessão".

Estamos no último ano de castigo e já vislumbramos as luzes mais bonitas do Natal de 2022. A Terra vai tomando a forma oval e a ciência consegue barrar o negacionismo da geral. Geral dos 20% que persistem na idolatria cega ao mito dos reacionários. Esse percentual já foi maior, tanto que colocou o Bolsonaro no poder. Hoje, com a dispersão do MBL, renúncia de alguns generais, fuga de apoiadores e a deserção do Moro, os votos não serão suficientes para uma reeleição. Nem no pior pesadelo o cenário nos chegará. Uma leva de arrependidos renova o coro da esperança. Divertido é ver bolsonarista migrando para o morismo: pensa em algo para risadas! Era tudo mentirinha mesmo? Cadê o brio? As profecias se cumprirão: "não se reelege, não fará sucessão". Acaba nesse ano. Talvez, por mera imitação, o presidente derrotado incentive seus 18% a invadir o senado e insista na narrativa das urnas eleitorais fraudulentas, mas nossa democracia vencerá. É normal que a porcentagem caia diariamente. O país precisa se livrar de vez daquele que jamais poderia ter chegado onde chegou. Como chegamos nesse ponto tão fora da curva? Nos tornamos o gado rumo ao abatedoudo. O mito da honestidade, da fidelidade, das falsas verdades vai, a cada dia, se dissipando no espaço sideral. O nacionalismo exarcebado e o puritanismo movido por princípios religiosos servem, apenas, para camuflar toda sorte de comportamento hipócrita. Que tudo se desintegre! E que cada partícula caia nas profundezasa do esquecimento de quem entra para História enfeiando o lado ruim das páginas. O presidente da morte. Brincou com a morte do próprio povo, desmereceu o luto de tantas famílias, negou medidas mínimas de combate à pandemia, boicotou a vacinação, riu das nossas desgraças e nos deu a conta das motociatas, dos passeios incessantes e de outras ações de politicagem. Sacanagem. O mito é a imagem do que nunca deveria ter sido. Terror daquilo que vivemos, como diria o Neymar para moça que ele levou pra Paris. Nosso convite é sair da caverna! Que venham as luzes do Natal de 22 e os fogos (sem estampidos!) da virada para 23! Voltaremos a fazer parte do clube da ciência, das sociedades que protegem o meio ambiente e dos governantes que valorizam a vida. Não! Não tem nada a ver com comunismo! Nem com experiências onde somos cobaias! Qualquer situação tem mais luz e dignidade que os quatro intermináveis anos de castigo que custaram mais de 600.000 vidas.

domingo, 2 de janeiro de 2022

Chegou um cara trajando uma camiseta amarela da seleção brasileira

O desafio era saltar de um avião e pousar num pequeno ponto da belíssima Kuala Lumpur. A ideia não foi minha, viajei de Amsterdã, onde estava hospedado, para Malásia só para ver de perto essa aventura. Um esportista radical local estava fazendo o desafio para entrar no Guiness. Sentei-me num bar de mesas postas na calçada, de onde eu admirava a rotina daquele povo e espiava as janelas dos prédios residenciais. Enquanto aguardava, uma operação de marketing da GM acontecia bem ao lado. Penduraram um camaro amarelo numa falésia e colocaram uma mulher loira do lado. A moça jogava os cabelos e pousava pra foto. Nesse meio tempo o paraquedista acertou o alvo. Bandeiras da Red Bull trepidavam por todos os lados. O rapaz, um malaio da gemma, sorria e, em inglês, agradecia a todos. Chegou um cara trajando uma camiseta amarela da seleção brasileira, logo, presumi que era brasileiro. E era. Fez um convite para almoço e, de cara, disse que era de direita. Não perguntei nada mas ele se apresentou assim. Falei que tinha comido muitos doces holandeses e que estava de barriga cheia. Ele disse que fazia parte do staff do saltador e que vivia há alguns anos no país, mas que o pais dele era o Brasil. Amém. Depois disso acordei e fui escovar os dentes.

domingo, 26 de dezembro de 2021

Visitamos a Torre Eiffel

Visitamos a Torre Eiffel e paramos no restaurante para tomar um legítimo champagne francês. Compondo a mesa estava eu, minha professora Sônia e a família dela. Eu já estava me sentindo satisfeito em ter subido até ali na montanha de ferro mais famosa do mundo, mas a minha professora disse: sobe mais. Deixei a taça da amargura e do medo, subi até a ponta e me equilibrei, olhando sem jeito para baixo. O sem jeito era medo mesmo, perna bamba e trepidando mais que carro na rodovia Uberlândia/Prata. Num dado momento, me lembrei daquela foto lendária feita com uns operários sentados no meio do nada em um arranha céu em construção, a famosa Lunch atop a skyscraper, registro de 1932 por Charles Ebbets. Lá da ponta, me equilibrando de um lado para o outro, vi que era possível ter a calma daqueles homens do século passado. Sentei, pedi minha taça de volta e comemorei admirando a beleza da Cidade Luz, que estava ainda mais iluminada com a chegada do ano novo. Sou muito grato pela mestra que tenho para vira toda!

domingo, 12 de dezembro de 2021

Você já admirou o seu quintal hoje?

Toda noite a vida me ensina que o céu me fascina! Fico atônito em saber que faço parte dele e que não estou aqui jogado, mas que nos completamos. Sei que estou aqui desde o primeiro mexidão de terra ou daquela grande explosão. Tudo se renovando incenssantemente, cada pequena partícula é a parte de um todo. Quer seja em água ou fogo, todo início ou fim, serão, para sempre, infinitos. O sempre e o infinito andam juntos. Até quando tudo explodir de novo, a vida continuará sendo, mesmo que ninguém esteja pensando. A noite essa imensidão de pertenças se torna ainda mais gritante. O pequeníssimo planeta, a estrela gigante, a cauda espalhafatosa de um cometa. Tudo é brilho! Parcos ou reluzentes, mostram vida. De repente dá aquela vontade de saltar e ir subindo sem fim, topar num canto qualquer com o pequeno príncipe ou encontrar com algum anjo nos mirando. O céu, cheio de estrelas, não é o fim! E nem sabemos se é o começo. Talvez eu espere os preços baixarem para fazer um turismo na órbita terrestre, enquanto isso não acontece, deito-me no meu quintal, afinal, tenho todos os corpos celestiais possíveis ali mesmo, é só olhar pra cima. Você já admirou o seu quintal hoje?

sábado, 30 de outubro de 2021

Conservadoramente, o presidente exaltou em ato falho sua rotina de propina.

Se o presidente Bolsonaro é um escândalo em frente às câmeras e microfones, imagina fora deles? Pois então, o sagaz dono da faixa verde e amarela coleciona falas inoportunas, desumanas, insensíveis, preconceituosas, resumindo, tudo que um representante de direita não deveria ser e dizer. Sim, não vejo a direita como desenha o presidente. Aparentemente, ser de direita significa respeitar a moral e os bons costumes, significa ser temente a Deus e ponderado no falar. Uma autêntica pessoa de direita guarda as tradições cristãs, não vive com a boca cheia de palavras asquerosas e nem ensina as novas gerações a malandrosa prática da rachadinha. Bom, vamos lá: A notícia é trágica e não tem nada de engraçada. Durante uma entrevista para Jovem Pan, no meio do intervalo, julgando que não estava sendo gravado, o presidente começou a explicar o passo a passo de como receber propina sem fazer alarde. foi durante a transmissão ao vivo, nesta quarta-feira, 26, que o presidente comentou o recebimento de propina em “caixas de sapato”, que segundo ele, costumavam ser feitas “no passado”. “O cara que fazia contrato levava uma caixa de dinheiro embora, metia a caneta no contrato e passava para R$ 20, o pedágio. Assim que funcionava. Ou não era assim?” E continua o assunto perguntando às demais pessoas no local quanto elas acham que deve valer uma vaga para o STF. “Presta atenção, pessoal. Quanto você acha que vale a vaga para o Supremo Trib…?”, diz Bolsonaro. Quando é avisado que ainda está sendo transmitido, rapidamente, o presidente desconversa: “Tá gravando aí? Tá aqui na… (aponta para a câmera). Então, isso daí é o Brasil, a gente apanha pra cacete, pô. O tempo todo. E tem gente que não dá valor. Não dá pra resolver tudo, vamos devagar!" Conservadoramente, o presidente exaltou em ato falho sua rotina de propina. Este presidente de direita te representa, amigo conservador? É sério? Você ainda defende esse senhor? Se você considera o presidente um autêntico membro da direita, se você ainda serve a este mito, me desculpe mas...lamento te informar que você, na verdade..., é cria do centrão. Você não é nem de lá, nem de cá, você é do meio, aquele sujeito que se põe em cima do muro, esperando a melhor hora de pular para um lado mais vantajoso. É isso! Nada de novo debaixo do sol. Pare de passar vergonha.

uma palavra bendita é luz para o nosso sorriso!

O que é uma pessoa de palavra? Pessoas de palavra estão em extinção. Para quem é honesto uma palavra basta, nada de papelada com trezentas assinaturas e vistos em cada página, nada de reconhecimento no cartório, nem advogado precisa. A palavra conta muito sobre quem a tem. Do mesmo modo que existem pessoas que usam da palavra para ludibriar os outros, com lábia afiada, enganam e tomam para si, existem (pouquíssimas) pessoas que ainda consideram a palavra fundamental. Se disse, é isso! Vendeu alguma coisa só pela palavra pra alguém, daí, um terceiro aparece oferecendo o dobro mas... a palavra é mais importante que o lucro. Isso é lindo! É um desapego, é da personalidade! Pensa numa pessoa de palavra: Minha Água! Eita que sou um cara de sorte! Vai ter que me aturar até a morte! hahahahahaaaa! Uma palavra maldita, machuca até a alma, uma palavra bendita é luz para o nosso sorriso!

Três em uma noite

Abri aquele livro enorme e pesado e dele saiu um escorpião. Meu susto foi tremendo pois, se tem bicho que temo, é esse. Quando ele caiu, tentei esmagá-lo na sola do pé, o artrópode parecia calejado pois não tinha o ferrão. Pisei várias vezes mas o bicho não morria. Vê se pode? Estávamos num bosque e as folhas serviam de proteção, para tudo tem explicação. Dei um chute e ele voou acertando o calcanhar da minha mãe. Ela nem viu. __Me ajuda aqui! Tô quase perdendo o escorpião! Gritei por ajuda e um amigo também chutou o bichinho indesejável. As ruas do campus eram de terra batida, toda desnivelada e com buracos. __Gente, choveu? __Não, sempre foi assim. __Poxa...uma instituição que trabalha com a ciência, com pesquisas e não consegue, sequer, asfaltar as ruas da universidade? __Deve ser o corte. __Bora que vai começar o racha! A geladeira branca, modelo quadradão, funcionava aos trancos e barrancos. A fome apertou e fui caçar algo para comer. Abri a porta e um monte de coisa saltou de dentro dela: alfaces queimadas e ovos (um ovo se quebrou no mesmo lugar onde jaziam outras cascas) foram os primeiros, depois um jarro com resto de suco de caju caiu, despejando o liquído no fundo da gaveta de verduras. Não tinha espaço pra mais nada. O calor que brotava era insuportável e o odor beirava o Tietê. Vou contar pra você: Perdi a fome.

segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Não vale a pena abraçar essa agenda de morte e negacionismo.

Escrevo este texto com profundo ar de tristeza. A cidade de Ubelândia perdeu o único vereador que tinha coragem de bater de frente com o executivo e de fiscalizar de verdade. Dentre as atividades suspeitas, questionou os 20 milhões de reais gastos com publicidade pela Prefeitura Municipal. Vinte milhões! Sabe o que é isso? Na prática, enquanto você aguardava um leito hospitalar pra você ou para algum ente querido, a cidade estava gastando horrores com as propagandas dos canos gigantes do DMAE ou com o droninho. Não é nada engraçado. O vereador Thiarles Santos se elegeu pelo PSL e assumiu para si a agenda bolsonarista, para tanto, questionava o uso de máscaras e não se vacinou quando teve oportunidade, teceu elogios ao presidente, o acompanhou de perto quando esteve na cidade. O Thiarles abraçou a causa e comprou muita briga na cidade, sobretudo, com os professores. No auge das contaminações, ele levantou a bandeira do ensino presencial e o que vimos foram professores e auxiliares da educação morrendo de COVID. Apesar dos sentidos opostos, admirava o vereador pela coragem de denunciar e cumprir o seu papel de fiscal do povo, inclusive, já havia o parabenizado por isso, mas não deixava de conflitar com ele devido o apoio que dava à causa negacionista. O fato é que, enquanto os demais vereadores estavam lutando por mini vans, auxílio combustível, nomes de rua e outras banalidades, o Thiarles estava propondo a convocação da primeira dama para explicações na câmara. Foi voto vencido mas mostrou que nem tudo era subserviência no legislativo. Mas...sua carreira promissora na política se encontrou com o maldito vírus. Em, talvez seu último vídeo, o Thiarles aparece trajando uma camiseta com a face do Bolsonaro, dizendo que estava bem e que se trataria em casa. Depois disso, desapareceu das redes e nenhuma notícia mais. Boatos apareceram. Mandei mensagem para assessoria dele cobrando, ao menos, um boletim médico, afinal, o Thiarles era uma pessoa pública. Três dias depois, permaneciam o silêncio e os boatos. O que vi foram muitos comentários maldosos e impertinentes. Independente de quem quer que seja, jamais devemos desejar morte ou sofrimentos. Postei uma mensagem nas redes sociais do vereador dando nota zero para assessoria devido a falta de informações. Provavelmente, o próprio Thiarles pediu essa discrição, mas, quando uma pessoa não responde mais por ela, alguém tem que assumir essa responsabilidade. Depois, finalmente, vieram os boletins e, para nossa tristeza, apresentavam o que temíamos: um quadro grave de COVID. Movimentamos correntes de oração e a todo momento pensava: "poxa, se tivesse de vacinado..." O Brasil só teve problema com vacinação em 1904, quando o povo se negava a vacina obrigatória contra varíola. O fato é que a vacinação se mostrou tão efetiva que, posteriomente, a população aderiu e milhares de vidas foram salvas. Depois disso, não tivemos mais problemas e o país se tornou referência mundial em vacinação e até na produção dos imunizantes. Nossas campanhas de vacinação em massa sempre foram exitosas mas...veio o Bolsonaro e começou a conspirar contra a vacina, a negar a eficácia, a zombar da vacinação e deu no que deu. Eles queriam propina e não vacina. Semeou a dúvida por mera ideologia e muitos de seus apoiadores embarcaram nessa. Inclusive o Thiarles. O Thiarles morreu defendendo a bandeira bolsonarista. E o Bolsonaro? Nada! Nem uma notinha de pesar. "E daí? Chega de mi mi mi!" Como já havia dito antes. Não vale a pena abraçar essa agenda de morte e negacionismo. Lamento profundamente pela linda família que o Thiarles deixou, lamento pelos quase 600 mil brasileiros que se foram pela mesma doença. Você que não quer se vacinar por causa do Bolsonaro, deixa de orgulho! A patética cena do presidente comendo pizza pelas ruas de Nova Yorque por não ter um comprovante de vacinação é para nos envergonhar! Não tem nada de poético nisso! Enquanto você fica aí, defedendo a bandeira vermelha desse país, ele, realmente, não tá nem aí pra você! Se contaminou e teve tratamento exclusivo. E você? Você terá que aguardar na fila e contar com a boa vontade do sistema até para fazer um simples teste. Thiarles, você já está fazendo falta e não acredito que outro vereador ou vereadora assuma a sua posição. Vamos continuar com um legislativo medroso e preocupado com seus interesses pessoais enquanto gastamos milhões com futilidades. Que Deus seja a fortaleza da sua casa, Thiarles, e que seus filhos guardem na lembrança o grande homem que você foi. Você, como muitos brasileiros que caíram para este vírus, ainda tinha muito a nos dizer. Que Deus nos salve desse desgoverno de morte. Atenção: caso você se arrependa de negar a vacina e tenha interesse em evitar um mal maior, basta acessar o site da prefeitura (no caso de Uberlândia-MG), www.uberlandia.gov.br e clique em "enfrentamento ao coronavírus". Pronto! Rapidinho você será chamado e não sofrerá nenhum tipo de punição pela demora em aderir à campanha. Não importa se você é idoso com histórico de atleta ou jovem na flor da idade, vacine-se! Ninguém precisa saber, não será um constrangimento, será uma conduta inteligente em favor da própria vida e os amores pelo Bolsonaro poderão continuar, afinal, você seguirá vivo. Esta é a nossa arma mais eficaz nesse momento. Vá e vacine-se sem vergonha!