quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

fumódromo em hospital?


fui a um hospital particular na cidade onde moro e...
susto!!
tinha um fumódromo no hospital!
o que há de mal nisso? perguntariam os cabeças abertas.
não me leve a mal mas...
fumódromo em hospital?
não dá pra confiar!
por favor, me ajudem com um ditado popular!
preciso digerir essa situação.
da equipe de limpeza ao cirurgião
tinha gente com cigarro na mão.
ainda bem que a cura, um dia, pode acontecer.

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

a maquiagem, a faixa, os chifres, os dólares etc etc etc!


photo by Rachel Siston

nunca fui ligado em carnaval.
nem nas épocas do fogo da minha juventude.
de qualquer maneira, o que me ligava ao carnaval, de fato,
eram as oportunidades de trabalho,
tirava uma grana legal tocando marchinhas.
quando eu comecei a trabalhar com a população de rua,
isso no início de 1999,
dei um tempo às bandas e foquei na minha nova vida,
voltei a estudar e, pouco tempo depois,
arrumei um trabalho que não me exigisse tantas viagens.
queria mais tempo para o meu novo projeto de vida.
e assim o fiz.
mas tive uma recaída no carnaval de 2002
e viajei com a minha bíblia à tira colo
para não cair em tentação.
é isso mesmo! levei a bíblia pra folia!
fiquei 5 dias na cidade de cardoso - sp,
onde uma grande represa atraía os foliões.
olha...e foi uma provação daquelas!
consegui sair imaculado das tentações da carne!
já estava certo que não queria mais a vida mais ou menos que eu levava,
e voltar tudo numa paixão de carnaval seria terrível.
bom, fui tocar por causa do dinheiro.
o cachê era bom e já estava destinado para uma nobre causa,
que era comprar uma kombi para fazer o trabalho de entrega de comida
para os moradores de rua.
arrumei uma kombi 79,
que tinha férias no volante!
mas isso era o de menos,
deu certinho para a função
e foi um tremendo sucesso entre os voluntários da pastoral de rua
e também com os moradores de rua.
onde a nossa kombi chegava a festa era garantida!
para não passar em branco,
recortei alguns adesivos e decorei a máquina.
foi batizada de kombicéu.
depois de 2002, fiz uma ou outra intervenção musical
no carnaval, cachezinho sendo bom,
mal nenhum!
minha grana nunca mais foi aplicada em farra
e a minha consciência tá mais tranquila que a vaquinha do presépio.

quando eu era pequeno ficava p da vida com os dias de carnaval,
pareciam infinitos!
minha família era muito pobrezinha,
éramos 10 pessoas em casa e não tínhamos nada para fazer
a não ser assistir tv.
viagens? bailes? festas?
nem pensar!
cadê o dinheiro?
o jeito era ligar a televisão.
aí que estava o problema:
só desfiles, fantasias,
mulher pelada, bailes escrotos!
e depois reprisavam tudo!
e os três canais que pegavam na nossa velha televisão preto e branco
era a mesma coisa! não tínhamos alternativa.
livros? games? passeio no parque?
não tínhamos acesso aos livros,
só os da escola.
e que criança vai querer passar o feriado estudando?
de jeito nenhum!
vídeo game já existia mas era luxo,
passeio no parque poderia ser uma alternativa
mas meus pais não sabiam onde era o parque do sabiá
e também não tinha linha de ônibus.
mesmo se tivesse, não teria o dinheiro pra passagem de tanto muleque.

nada de desenhos ou filmes,
só carnaval.
e quando a gente pensava que a tortura tinha acabado...

tchamrãnnnnnnnn!!

apuração dos pontos!
que loucura!

isso me fez ter apatia pelo feriado
e pela zona que o nosso país se transforma
nessa semana de carnaval.

com certeza, muitas alegrias para quem é fã,
muita festança e azarações incentivadas
pelos nossos governantes.

me lembro que, numa bela noite de carnaval,
trabalhando no controle do trânsito
e respectivas interdições,
passou pela avenida um veículo oficial
da secretaria de saúde,
de cujas janelas brotavam
camisinhas e lubrificantes para sexo anal.
jogavam sem rumo,
como se fosse um papai noel jogando balinhas.
aquela cena apenas aumentou meu repúdio
pelo carnaval e pelas mazelas
que os nossos políticos fazem.

deem o que o povo quer e pronto!

carnaval 2018!
aeeeeeeeee!
continuo desligado de todo assunto mas...
fiquei interessado em assistir um desfile que aconteceu na sapucaí.
vi muitos comentários e algumas cenas que me chamaram a atenção.
fui no youtube e assisti o desfile da paraíso do tuiuti na íntegra,
afinal, é feriado de carnaval.
de cara, caí em lágrimas pela comissão de frente.
e fui me emocionando até chegar na ala dos patinhos da fiesp,
nos manifestoches!
que sacada!!!
das lágrimas fui aos risos!
depois o carro alegórico neotumbeiro,
com os manifestoches trajando o uniforme da seleção brasileira de futebol
e com panelas nas mãos, meu pai do céu!!!
chorei de rir!!
que coisa mais linda!
mais divertido foi o silêncio dos narradores,
as alegorias gritando contra o governo golpista,
contra a mídia tendenciosa e nada de comentários,
apenas o silêncio sepulcral,
salvo pela bateria nota 10 da escola.
foi fan-tás-ti-co!
lembrei de muitos amigos que colocaram a canarinho
e foram bater panelas por aí,
fazendo selfies com os dizeres:
"mudando o brasil".
ri muito, gargalhei!

as mãos que nos guiam deveriam ser as de Deus!

valeu assistir, valeu a coragem da agremiação,
valeu ver o nosso presidente vampiro,
tão bem retratado naquele carro alegórico.
“Tá com faixa de presidente esse vampiro aí”
e foi apenas este o comentário do narrador.
o homem ficou a cara do #foratemer!
a maquiagem, a faixa, os chifres, os dólares etc etc etc!
que perfeição!
falar da escravidão e não lembrar
que este governo quer fazer de tudo
para abrandar a fiscalização do trabalho escravo
seria, no mínimo, conveniência.
sem contar a reforma das leis trabalhistas,
que tem propiciado uma enxurrada de demissões brasil afora
e a audaciosa reforma da previdência,
que tem nos dado cenas hilárias do nosso vampirão
no sílvio santos, ratinho e companhia.
quanto jabá!
o rombo forjado pelo governo é a desculpa
para a aprovação dessa aberração contra o trabalhador.
é escravidão ou não?
o jabá também corre solto na câmara e no senado,
é muita grana disponível para comprar votos.
é o sangue chupado de nossas veias.

parabenizo a escola de samba paraíso do tuiuti
pela coragem e audácia.
finalizo este misto de remiscências
com ares de crítico de carnaval
com a parte do samba enredo que mais gostei:

"Meu Deus! Meu Deus!
Seu eu chorar não leve a mal
Pela luz do candeeiro
Liberte o cativeiro social"





quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

água minha, dessa vida mais nada!


água minha, sede que não finda!
és sempre mais doce, meu conto de fada!
passam-se os dias e ficais mais linda!
água minha, dessa vida mais nada!

passei uma tremenda vergonha no trânsito!


passei uma tremenda vergonha no trânsito!
foi assim:
estava dirigindo tranquilamente pela direita da avenida
quando um sujeito avançou uma parada obrigatória,
entrando bem na minha frente
e em baixa velocidade.
pisei no freio e consegui evitar a colisão,
mas não consegui segurar a minha língua.
acelerei pela esquerda e, janela com janela,
disparei inúmeros palavrões.
xinguei mais que o zé leite,
um amigo meio doido que tenho.
o barbeiro do outro carro me surpreendeu.
não me devolveu os xingamentos
mas disse que me conhecia da televisão,
falou que me viu numa entrevista,
que sabia que eu era o cara que ajudava os pobres,
que trabalhava lá numa tal missão de acolhimento
e que ia espalhar que eu não era santo.

bom,
pensei,
nunca fui santo.

mas foi uma situação tão constrangedora que perdi meu rumo.
a gente fica sem ação.
imagina, você vai gritar com alguém no trânsito,
gesticula, faz gestos obscenos,
enche a mão na buzina e quando vê a fuça
do outro, é um conhecido, um amigo, um irmão da igreja, aquele colega de trabalho...
putz!
é terrível!
a gente caça uma privada pra enfiar a cabeça
mesmo que a cagada não tenha sido nossa.

acordei!

ufa! foi um sonho com cara de tragédia grega!
foi tão real que cheguei a acreditar que tenho essas atitudes!
pensei comigo mesmo que nunca mais faria isso e ri.
o fato é que no trânsito nos revelamos,
muitas vezes, bichos insanos e irracionais.
ficamos loucos com uma fechada
e, na ânsia de uma vingança,
acabamos por piorar as coisas num acidente.
ficamos brabos! perdemos a paz!
somos machões!
queremos partir pra briga!
e morremos de tiro ou, na melhor das hipóteses,
perdemos nossos dentes da frente.
vale esfriar a cabeça e deixar o navalha seguir.
muitas coisas na vida não valem nossa reação,
precisam mais da nossa indiferença,
do nosso sangue frio.
freud deve explicar algo sobre.
"você realiza em sonhos o que gostaria de fazer na vida real" etc.
bom, se os sonhos se tornarem nosso desabafo, melhor!
ao menos assim ninguém se fere ou morre por banalidades!
carnaval ta aí!
cuidado com os cachaceiros ao volante,
com os loucos de grave estourando,
com os ignorantes!
não perca a razão dando importância às coisas toscas
e passageiras como uma fechadinha no percurso.
acalme-se! respire fundo! faça uma reza e siga em paz!
melhor que facada é abraço de urso.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

esses dias fui passear nas nuvens e topei com a minha mulher


esses dias fui passear nas nuvens e topei com a minha mulher
descansando sobre algumas delas.
quando vi, já dormíamos juntos!
sonhamos coisas lindas
e acordamos desejando mais dormidas assim.
fim.

batam palmas suas serpentes!


eu sou apaixonado pelas serpentes
que usam pentes,
e penteiam seus cabelos
como se não houvesse amanhã,
como se os braços fossem exclusividade
dos seres humanos.
batam palmas suas serpentes!
me parece, claramente,
que querem ser gentes!

hitler passou correndo por mim


o porta aviões estava sendo alvo de um ataque voraz dos aliados.
sobre o graf zeppelin alguns bf´s 109, muitos soldados e o dono de tudo,
adolf hitler.

o ataque veio do céu contra o mar báltico,
apenas um supermarine spitfire disparava.
mas o spitifire apoiava pequenos e silenciosos barcos
que traziam ao porta-aviões dezenas de soldados britânicos.

eu, ainda não sei o porquê, estava no porta-aviões
acompanhando os alemães.
quando começou o combate eu saí correndo pela pista,
cruzando em meio aos poucos aviões que ali restavam.
hitler passou correndo por mim,
atirando a esmo com
a cara fechada, aquela de pouquíssimos amigos.
ele atirava até em soldados alemães!
parecia louco!
entrei numa pequena sala para me proteger
e eis que vejo meu irmão, o kebim,
tentando fazer uma ligação via rádio
para nossa mãe.
nossa mãe natureza foi nascer em 1946!
__mãe, mãe, a gente tá aqui...
__kebim! cê é louco! tá tudo grampeado!
nessa hora o hitler entrou na sala atirando
com uma terrível mg42.
acertou o controlador de rádio que estava logo à frente.
fogo amigo.
meu irmão, nessa hora, sumiu,
e eu despertei desse momento onírico totalmente esbaforido,
mas vivo!
creio que tem a ver com 27 de janeiro.
foram muitas matérias nos portais de notícias.