quarta-feira, 31 de março de 2010

de repente, POW!!!!!!!!!!


tudo tranquilo e normal
nos trilhos de moscou.
as mais belas estações subterrâneas do mundo!

de repente, POW!!!!!!!!!!

mulheres bombas se explodem com moscou!
separatistas, vingativas, suicidas...
bilhetes? apenas os de ida.

e os trabalhadores faltaram,
e os pedaços se espalharam,
e o conflito terrorista, aumentou.

a coisa tá russa na rússia!

um completo dessaber
depois da URSS.
urge o diálogo.
urge, e é logo.

terça-feira, 30 de março de 2010

decida-me

decida-me
adoce-me
vem e cansa-me,
vem e descanse-me,
me faça
colocar o pronome oblíquo
no começo de uma frase,

ARRAZE!

segunda-feira, 29 de março de 2010

dizem-me todos os letreiros

andar juntos
passar a tarde,
sentir a presença
e aproveitar o tempo,
beijar teu sorriso
(que é lindo!)
é esquecer tudo
por algumas voltas dos ponteiros...

procurar a qualidade mais dócil,
mexer no fundo da alma,
e ver que, tudo, estava tão à pele.
por que é assim:
você é você,
dizem-me todos os letreiros...

como franciscanos pés de fé

meus pés calcam o solo
de onde vim,
existem mais pés
que andam descalços
como franciscanos pés de fé.

rasgam as pedras e espinhos,
marcam o calcanhar de aquiles
com rachaduras e a sola de couro rústico
parece uma estrutura reinventada,
como naqueles filmes
de roteiro confuso,
de horário fuso.


sábado, 27 de março de 2010

sexta-feira, 26 de março de 2010

arte que me invade

a arte que me encanta
se esconde atrás
das portas cerradas.

arte que me invade
se esconde dentro de mim
de olhares forradas.

prenúncio de grande acontecimento,
férvida esperança de ter
uma experiência estética,
um aprazível estalo no ser.

chovem artes nas nuvens,
descem como rodas inventadas,
acidentalmente,
pela pedra lascada
de um homem impaciente.

artes por todas as partes,
no corpo, nas páginas e nos telhados!

de todos os lados!

culminam loucuras,
imagens reais e
cenas de surreal aspecto!
malgrado caminho sem tu,
sem saber se vou
deleitar-me
com tuas
arteirices,
sem saber
se serei
eu
norte
ou
sul.

para as praias da Argentina


tá bom,
esperar é bom.

espero o tempo que for.
espero as gaivotas botarem seus ovos
e chocarem;
espero os pinguins da Antártica migrarem
para as praias da Argentina,
ou quem sabe,
para Praia da Joaquina
em Santa Catarina.

mais ainda,
confio na volta do falcão que vem do Canadá
se esbanjar no litoral soteropolitano!
espero porque sei que é bom
o fruto dessa espera.

belisquem-me!


um jeito pra tudo.
a gente sempre dá um jeito quando quer.
coisas que parecem difíceis tornam-se fáceis.
é o jeito de se contornar as situações,
as decisões de depois do café de amanhã.

a gente dá um jeito!
de dar nó em gota d´agua!
de ficar fazendo sala!
de sonhar acordado (s)!
de viver um momento mágico
e perceber que é real,
que não é algo ilógico!
mesmo que os relógios insistam em rodar...

belisquem-me!

quinta-feira, 25 de março de 2010

meu ego

meu ego
era cego:
sapiente.
não nego.

mistura exagerada

o sacro
e o profano.

mistura exagerada
das partes
que se opõem.

fora dos altares
tudo corre
ao sabor
dos ventos.

e os ventos,
sem lenços e
documentos,
trazem histórias
boas
e
más.

mas dos altares
saem luzes
que iluminam
as trilhas,
que abrem os olhos
e fazem sorrir
verdadeiramente.

ai dos altares extremistas!
parecem artistas
de um drama
que nunca se acaba!

o sacro se une ao profano.

e o profano,



se esquiva.

falo-te com a silenciosa voz




meu tempo
passa lento
quando estou
ao seu lado.

mesmo calado
falo-te com a silenciosa voz
que te olha
e deseja,
com a voz ritmica
que vem
do peito,
com os cheiros
que nos circundam,
com as coisas
que sempre
mudam.

quarta-feira, 24 de março de 2010

espaços titubeantes

espaços titubeantes
entre céu e terra

alva estrela trepidante
que brilha mais que o antes

castanhas cortadas aos poucos
pelo seu olhar castanho vivificante

instante
sagrado

segundos
contados

a alva estrela se vai
desprendida sobre o olhar do Sol

descanse o quanto puder
para poder brilhar mais e cantar seus ais

dizer seus segredos
revelar seus medos

espaços titubeantes
nunca dantes

navegados.

terça-feira, 23 de março de 2010

estremece tudo

estremece tudo
esquece que tens coisas a fazer,
padece de tanta espera,
erra o alvo
no pensar distante,
errante.

tremes de pulsar,
não de bater: de rufar.

anunciando sua vinda,
sentindo sua presença,
brincando de paciência...

duas partes necessárias

duas imagens que se juntam,
e juntas, formam uma só,
como espelho e água,
como sol e reflexo.

e as histórias se completam
(ou se desconexam)

mas agora, juntas,
seguirão numa nova história.

duas imagens, dois pedaços,
duas partes necessárias,
uma enigma,
a outra,
resposta.

segunda-feira, 22 de março de 2010

domingo, 21 de março de 2010


Você está me apertando demais...
Me colocando em situação difícil...
E agora???
Vou escrever aquelas palavras...
que só eu sei.
Aquelas que estão guardadas na minha caixinha cerebral.
Minha massa não é cinzenta.

Agora..
vou falar o que estou pensando
aliás sentindo
algo estranho
diferente

Pessoa especial..
encantadora
pensativo
passivo
criativo...

Sua presença me alegra
me faz sentir melhor...
perceber o que as vezes parece oculto...
escondido.
preso.

roubar-te


ahhh...
que cheirinho gostoso você tem...
belo espaço entre nós
que pode ser diminuído,
quem sabe,
desaparecer.

queria poder,
então,
provar outros sabores,
as outras cores que permeiam seus olhos

( que são lindos...)

queria poder ler
até onde não existem as palavras
e descobrir coisas que ainda tenho dúvida.
Queria ler seus pensamentos
e aí,
tudo ficaria mais facim.

sou um cara que se engana fácil,
mas,
sempre há uma tentativa.
nunca fiquei com uma árvore!
acho que é o melhor caminho pra quem tem medo.

cabelos?
meu Deus, também são lindos!
soltos, amarrados, presos no meu pensamento!

quero ver o sabor que tens,
as cores, percebo,
e já sei que são misturas:
de gente que se completa
com coisas boas,
com sorrisos,
com este carinho escancarado,
que parece não ter aquele medo que todos teem...

mais um pouco
e tento
roubar-te

mas tenho medo de apanhar!
é fato,
é certo,
é algo que,
sei lá,
pode acontecer...

mas quero,
e querer nem sempre é poder.
Ah! o poder só tá no céu!

quantos te chamam anjinha, hem?
tá certa a previsão do tempo:
chuva e carona a tarde toda,
pena:

queria lavar-te
no véu dos sorrisos.

sábado, 20 de março de 2010

meus ex-alunos

meus ex- alunos.
quanto tempo sem os ver...
criancinhas saltitantes,
briguentas,
rabugentas,
alegres!

agora?
bem, agora,
rapazinhos de novas vozes
e mocinhas encorpadas em mulher,
conflitos,
decisões,
aflições,
a descoberta do novo continente!

e eu?
eu, mudo,
com meu caminhar
mudo.
abraçado,
festejado,
chutado,
descabelado!

ainda bem!
acho que pude aprender
e mostrar, além das normas da língua vernácula,
mostrar um pouco de amor,
desconhecido,
esquecido,
sumido,
às vezes, banido,
de nossos convívios,
da relação discente /docente,
diz, sente.
dor, sente.
dor da saudade,
da parte que me cabe
neste banco rabiscado,
sujado,
lavado,
quebrado,
soldado,
sol, dado como prova de amor,
presente...

sexta-feira, 19 de março de 2010

terra treme

terra treme
gente também:
medo.

a morte do cartunista






morte matada
de uma vida vivida.

homem engraçado
de personagens também.

quem morreu afinal?
não haverá final.

glauco,
seu herdeiro,
seus desenhos,
seus daimes.

botaram um fim neste rabisco torto,
cômico por ser torto,
por ser louco,
por ser pouco,
mas,
que nos fazia rir:
soslaios, sorrisos, gargalhadas, dia mais feliz um pouco.
nunca indiferente,
mas,
muito diferente.
até mais!
até os outros carnavais!

acho que estou meio narcisista

acho que estou meio narcisista.
olhei no espelho e vi
alguém que não era eu.

cometas halleys

sorria a noite inteira para mim!
mais estrelas apareceram para animar a festa!
corpos celestiais inanimados
pulam feito pulgas atômicas!
estrelinhas cadentes
sobem e descem!
Ahhh...se elas soubessem...
passam rasantes meteoros
e cometas halleys
que fazem linhas diárias!!
luzes e canhões refletores!
constelações,
sistemas solares ou não,
galáxias,
nebulosas,
buracos negros,
corpos estranhos...
tudo tudo é criação de Deus!!!!

mal amadas

violência.

que dói no fundo do peito,
por nada ter sido feito.

silencia.

quando as mãos parecem atadas,
quando nada vale mais nada,
quando tudo parece um conto de fadas.

mal amadas.

domingo, 14 de março de 2010

boiando, entupiu a encanação

encontrei-o jogado
dentro de uma privada.

a válvula estava cortada
e percebia-se as cavidades arterias.

boiando, entupiu a encanação,
e nada mais ali passava.

onde bateu, onde viveu...
peço explicações diárias.

no onírico momento
tudo passa muito rápido e dissimulado.

partes e vestígios se juntam
aos poucos dentro de nossa cabeça.

então, fazemos como as donas videntes:
tentamos prever, esclarecer, entender.

enganamos-nos.
coisas sem explicação.

resta-nos deixar que outro onírico momento
complete o que restou.

sexta-feira, 12 de março de 2010

estreito caminho entre ficção e realidade

estreito caminho entre ficção e realidade
fazem confundir quem imagina
um mundo diferente,
com outras cores,
cores nunca vistas,
que fazem, então,
um novo laço,
aliança.

passamos rente,
por este estreito passo de ficção,
de realidade escondida sob o sol de um meio dia qualquer,
em que, brincamos de bem-me-quer mal -me -quer, bem-me-quer mal-me-quer...
infinitas escolhas cercadas por liberdades.
as novas cores fazem surgir novos tons,
de infinitos nuances,
e nossos olhos
começam a entender
que,
muitas vezes,
é preciso ver
para crer.

domingo, 7 de março de 2010

relações humanas e desumanas

arte de amar e relacionar-se,
de escutar e apascentar-se,
de enjoar e afastar-se?

relações humanas e desumanas

de querer arrepender-se
e voltar atrás,
ver o que ficou de bom,
ver o que se perdeu
com
o
andar
de
nossos
dias.

de, nunca mais,
olhar para trás,
nem que seja para sentir saudades,
mas...
nunca
diga
nunca.

as pessoas passam
como nuvens,
ao sabor dos ventos,
cheiro de flores
e de
[ até]

animais mortos!

humanas ou desumanas,
alguém sempre sai perdendo
uma parte de alguma coisa.

quinta-feira, 4 de março de 2010

cotas raciais

cotas raciais
que me peçam mais
neste país colonial
onde tudo ainda é discutido
entre poucos,
e muitos latidos.

cotas sociais
parecem todas iguais?
educação desigual
resquícios do passado
fazem deste país
escola inacabada.

debates entre brancos,
entre negros,
__entrem, brasileiros!
a cor preferida,
não é nem uma, nem outra,
morenidade...
modernidade...

terça-feira, 2 de março de 2010

corações se apaixonam

ratoeiras são armadas
para pegarem os ratos.

arapucas são armadas
para pegarem os pássaros.

tocaias são armadas
para pegarem alguém.

armadilhas são armadas
para pegarem qualquer coisa que se mova.

redes são postas
para prenderem os peixes.

corações se apaixonam
para ficarem presos por um tempo.

segunda-feira, 1 de março de 2010

terremotos

haiti,
chile,
qualquer dia
é aqui.

você conhece a terra?
tem quem faça previsão,
mas sempre erra,
pois a terra
ninguém conhece não.

terremotos
em lugares
nem tão remotos,
não afeta meus pares,
nem nos dão remorsos.

águas e ventos,
terras e fogos!
quatro elementos
que mudam seus modos!