quinta-feira, 12 de maio de 2022

O que acontece com os oligarcas e magnatas russos durante um bloqueio econômico?

Na foto Alexander Subbotin O que acontece com os oligarcas e magnatas russos durante um bloqueio econômico? A notícia de jornal: Mais um magnata russo ligado ao petróleo morreu em "circunstâncias misteriosas" nesta semana. De acordo com a imprensa internacional, o corpo de Alexander Subbotin, 43, ex-diretor da empresa LukOil, foi encontrado por dois xamãs após um ritual que teria utilizado veneno de sapo para curar uma ressaca. As informações foram divulgadas pelo canal de comunicação Mash hoje, mas a data da morte de Subbotin não foi detalhada pelo veículo.... - O bilionário teria visitado um xamã chamado "Magua" e a esposa dele na residência do casal em Mytishchi para ser submetido a um ritual de cura pelo qual ele já tinha passado anteriormente sem qualquer problema. O ritual consistia em abrir uma pequena incisão na pele e adicionar um veneno de sapo no local para tratar sintomas da ressaca. "Ele veio mais uma vez para tratar a ressaca. De repente, ele começou a se sentir mal, com uma dor no coração. O xamã decidiu que não chamaria a ambulância, deu Corvalol [uma espécie de sedativo] a ele e colocou o empresário para dormir no porão", afirmou o canal de comunicação. No amanhecer, o xamã teria constatado que o bilionário estava morto Outros seis oligarcas ligados à Rússia morreram neste ano Antes de Subbotin, seis oligarcas russos próximos do presidente Vladimir Putin tinham morrido em circunstâncias suspeitas desde o início da invasão à Ucrânia: as mortes são atribuídas a suicídios, mas também podem ser assassinatos disfarçados, segundo observadores habituados aos métodos de vingança conhecidos do líder russo. Todos eram executivos de empresas como a gigante russa de energia Gazprom. A hipótese de suicídio pode ter relação com o medo da falência, por causa das sanções ocidentais. Mas eventuais assassinatos, motivados por traição ao presidente Putin, não podem ser descartados, de acordo com analistas. Os dados foram compilados pela imprensa francesa, que considerou as semelhanças entre os casos muito grandes para não levantar suspeitas. O jornal Le Figaro destaca que os seis bilionários russos e suas famílias foram encontrados mortos em circunstâncias que as investigações policiais ainda não conseguiram esclarecer. Em todos os casos, o modus operandi observado pelos investigadores sugere um suicídio ou um crime familiar. Porém, o perfil das vítimas e a sua proximidade com o Kremlin, combinados com a sucessão de mortes, semeiam dúvidas. Quem são eles? Sergey Protosenya Ex-diretor executivo da Novatek, a segunda maior empresa de gás da Rússia, foi encontrado morto em 20 de abril, aos 55 anos, enforcado no jardim de uma mansão em Lloret del Mar, na Espanha, ao lado dos cadáveres esfaqueados de sua esposa Natalya, 53, e da filha Maria, 16 anos. A polícia espanhola investiga a hipótese de um duplo homicídio perpetrado pelo oligarca, seguido de suicídio. Protosenya tinha uma fortuna avaliada em mais de US$ 400 milhões. Vladislav Avaev No dia anterior, em 19 de abril, o corpo de Avaev, ex-vice-presidente do banco russo Gazprom e ex-oficial do Kremlin, e os de sua esposa e filha foram descobertos em um apartamento em Moscou. Os cadáveres estavam com marcas de balas. Como uma arma foi encontrada ao lado do corpo de Vladislav e o apartamento estava trancado por dentro, a polícia prioriza a hipótese de suicídio. Leonid Schulman Diretor da Gazprom, de 60 anos, foi encontrado morto no banheiro de sua residência, em São Petersburgo, no final de janeiro. No local foi encontrada uma carta evocando a versão de suicídio. Alexander Tyulyakov Vice-diretor da Gazprom, de 61 anos, foi encontrado enforcado em um chalé também na região de São Petersburgo. Mikhail Watford Um magnata do petróleo de 66 anos, foi encontrado enforcado na garagem de sua mansão, no subúrbio de Londres. Vasily Melnikov Ex-funcionário da empresa de equipamentos médicos MedStom, encontrado morto em seu apartamento em Nizhny Novgorod, no distrito de Volga, juntamente com a esposa e dois filhos de 4 e 10 anos, completa a assustadora lista. Nenhum vestígio de luta ou de invasão de domicílio foi registrado. E nos casos de Alexander Tyulyakov e Leonid Shulman, cartas de despedida encontradas perto dos corpos são considerados como indícios que sustentam a tese dos suicídios. Seria mera conspiração ou o já conhecido modus operandi russo com seus arquivos e inimigos?

sábado, 23 de abril de 2022

Sabe o que é isso? A magia do carnaval que não é carnaval.

Photo by Dhavid Normando Notícia de jornal: Na Sapucaí, arquibancadas gritam 'Fora, Bolsonaro' e camarote xinga Lula. Sabe o que é isso? A magia do carnaval que não é carnaval.

quarta-feira, 20 de abril de 2022

Cabulei aula.

Cabulei aula. Na verdade, não sei se cabulei uma vez que a aula era remota, já me encontrava na minha casa quando tive a tentação de faltar. Isso é uma confissão, desde já, me desculpo com Gramsci e Foucault, mas a falta era uma presença. A existêcia do cárcere num diálogo cheio de vinho sobre a biopolítica, estratégia rítmica. Que futebol que nada!

sexta-feira, 15 de abril de 2022

__Vou mandar comprar isso daí, taolkey?? Não quero ver ninguém caído, principalmente o Ari (falou revirando os olhos).

Photo by Ed Alves imagem meramente ilustrativa __Capitão, agora que temos um dos nossos no poder da nação, poderia ver algumas coisinhas pro front? __Taolkey General! Isso daí vai melhorar! __Então, desde a ditadura que não temos picanha nos quartéis, pode mandar pra gente? __A chance é mil! Já vou deliberar sobre esta cuestão aí! __Capitão, precisamos de bebidas também, vinhos e uísques, de preferência. __General, isso o senhor pode deixar comigo, taolkey? __É...capitão, precisamos de algo mais... __A cuestão é a seguinte: vocês são o meu exército po#%@! Peça! __Manda leite condensado! __Taolkey! Vou mandar milhares de latas! __Excelente capitão! __Algo mais para minha exitosa forças armadas? __O senhor tocou num ponto importantíssimo capitão: armadas! Ultimamente temos tidos muitas baixas, precisamos nos levantar. Queremos viagra! __Ora ora general... a altivez e masculinidade da tropa em primeiro lugar! Vou mandar da pfizer, zero chance de efeitos colaterais. __Maravilhoso capitão!!! Se não for muito, vou pedir mais... __Todo muito que eu der para o meu exército, é pouco! Não quero ninguém brochando, taolkey? __É justamente aí que estamos enfrentando um severo problema e não tá tendo comprimido azul que resolva, até o Aristides está precisando de uma prótese peniana... __O Aristides?? Cê ta de brincadeira, taolkey?? __Ele e outros milhares dos nossos necessitam urgentemente de próteses...Lamento muito informar vossa excelência... __Vou mandar comprar isso daí, taolkey?? Não quero ver ninguém caído, principalmente o Ari (falou revirando os olhos). __Muito bom capitão! Isso só faz crescer nossa admiração e lealdade! Agora... Dentre os combatentes, muitos já estão se dando por vencidos... __Como assim? Me explica isso daí taolkey? __Precisamos de lubrificante íntimo... Estou um pouco constrangido mas é pedido oficial das tropas... __Das tropas? __Tropas. __Vou mandar do melhor que tá tendo!! __Eita capitão porreta!! __Que po#*@ é essa general? Cadê o respeito? __Peito? Não não, não precisa! Vai dar muito na cara...

domingo, 3 de abril de 2022

Pensei: tomar café nisso não vai prestar

Estava remexendo o lixo na porta de uma residência parisiense quando a dona da casa saiu ao portão. Vi que ela ficou me fitando, mas eu estava muito intertido com as coisas que estava achando. Encontrei alguns relógios, uma caixinha cheia de moedas francesas antigas (pirei!) e bugigangas que me afeiçoaram. Passou um ônibus lotado e os passageiros me olhavam de maneira condenativa, para não dizer preconceituosa. Não estava bagunçando o lixo, nada se espalhava. Tudo feito com muito cuidado, afinal, sei que as leis costumam ser aplicadas no primeiro mundo. A senhora não se segurou e veio ao meu encontro. Ela começou falando em francês mas depois modulou para o português (para minha sorte). ___Você está com fome? __Sim! Mas tá tudo bem... ___Vou te servir algo. ___Agradeço! Fazia um frio esquisito e logo imaginei um café bem quente. Ao longe avistei as luzes de uma possível viatura de polícia. Deu aquela gelada. E agora? Arrumei o lixo e agi de maneira natural. Menos mal! Chegou o lanche! A dona dos lixos me trouxe um pão francês de verdade e o que parecia um fundo de garrafa pet recortado para servir de copo com café. Pensei: tomar café nisso não vai prestar... Não sei o que se sucedeu depois pois acabou-se o momento onírico dessa noite! Bonjour!

sábado, 2 de abril de 2022

Bem, hoje estou certo de que eles não estavam errados: sou riquíssimo!

Você nos inspira todo dia! Inspiração que nos embeleza, afinal, a sua beleza já nos estonteia. Nossa alegria está em cada passo seu ao longo desses lindos anos de vida, nessa rede, nessa bela teia em que nossos caminhos acabaram se misturando. Não houve estranheza, exceto da sua vizinhaça, que tinha certeza que eu era rico. Bem, hoje estou certo de que eles não estavam errados: sou riquíssimo! Tenho a honra de celebrar o seu aniversário estando ao seu lado, dormindo na mesma cama, arrumando as mesmas bagunças e provando seu tempero, que é uma maravilha! Deus, tão bondoso que é, dar-te-á muita paz e saúde, muitas felicidades! Mesmo que, em algumas noites traiçoeiras, tenha que se levantar para acudir o choro da nossa bebê Manu, as possíveis olheiras ser-te-ão charme! A idade, tão temida pelas mulheres, pra você é experiência! Sai de salto alto e roupa combinando e bora ser a melhor esposa do mundo, a melhor mãe, a melhor professora do universo galáctico! Parabéns pelo seu aniversário! Salve salve três de abril!

sexta-feira, 1 de abril de 2022

com medo da morte, morremos mais rápido

O bisavô tinha 96 anos de vida quando o conheceu e meu filho estava com alguns meses, aquela fase só bochecha. Brincaram, fizemos algumas fotos e foi muito divertido! Apesar da avançada idade, o Sr. Luiz Miron estava a todo vapor, muito independente e forte, nenhuma moléstia, nada de comprimidos e afins, apenas caminhadas e ginástica, aliás, ele fazia questão de desafiar os mais jovens a repetirem algumas daquelas manobras complicadas. Ninguém dava conta. Era noventão num corpinho de cinquenta. Filho de espanhóis que vieram para o Brasil no começo do século XX, trazia os trejeitos de quem descendia da Península Ibérica. Nasceu no Brasil e construiu sua história de vida ao lado de Dona Conceição, tiveram cinco filhos, dois cresceram e constituíram suas famílias. É aí que eu entro nessa história: me apaixonei por uma neta do vovô Luiz, a Minha Água, Princesa Marroquina, Juliana Meza, filha de Francisco e de Dona Teresinha. O Lorenzo, apesar de ter apenas fotos com o bisa Luiz, sempre esperava o dia em que fosse o encontrar novamente. Ele falava, com muito orgulho, do bisavô de quase 100 anos. Estava ansioso pelo reencontro. Planejamos viagem para Santo André em 2020, no entanto, o mundo foi impactado pela pandemia de COVID-19. Nada de viagens e nada de chegar perto dos nossos idosos. Em 2021 a história da doença continuou e encontros com o bisa apenas por chamada de vídeo. 2022 chegou cheio de esperança: bora ver o vô! Lamentavelmente, uma nova variante do vírus fez com que recuássemos da estrada. Por prudência, toda família considerou mais seguro continuar via internet. O lorenzo está com cinco anos de idade e é um garotinho muito inquieto e fuçador com as coisas da vida. Com dois aninhos já nos assustava com questionamentos pra lá do seu tempo. Enfim, com três já perguntava onde estava a vovó Benvinda, minha mãe, falecida em 2013, e onde estava o marido da vovó, Francisco, filho mais novo do vovô Luiz, pai da minha esposa, que faleceu em 2003. Nós respondemos da maneira mais simples possível: Papai do Céu levou e hoje são estrelinhas no céu. Não por acaso, ele se apaixonou pelas estrelas, ama se deitar no chão e olhar para o céu estrelado (eu também!Não tem um dia sequer que não olho pro céu!). É incrível como as crianças de hoje são ligadas em tecnologia, rapidinho, estão descobrindo a senha do wi-fi. O Lorenzo começou com a Galinha Pintadinha e, em pouco tempo, já estava assistindo vídeos sobre os planetas do sistema solar, sobre os países do mundo, sobre os números, letras, etc. Esses dias ele estava vidrado num vídeo sobre o sistema digestivo. Sim. Ele já me perguntou para onde a comida vai e também como chegamos nesse mundo. Pois é! Os universais! Tem gente que até pensa que estamos pulando etapas dessa construção do conhecimento em nosso filho. Que nada! Ele corre por conta própria! No dia 28 de março o vovô Luiz faleceu, caminhando, passou mal e morreu. Os órgãos, cansados dos quase 100 anos de trabalho ininterrupto, pediram um tempo. Não é eufenismo. A notícia nos entristeceu profundamente, difícil saber que não haverá outra visita. A pandemia afetou milhares de famílias no Brasil, aquelas que perderam uma parte e aquelas que ficaram impedidas do contato social. Nós perdemos a oportunidade de passar alguns dias a mais com Sr. Luiz. Depois da malquista notícia, minha esposa decidiu contar para o Lorenzo. Estávamos no quarto, sentados na beirada da cama e, de repente, a Juliana disse: ___Lorenzo, o bisa virou uma estrelinha, Papai do Céu chamou.___Não mamãe...eu não quero que ele vire estrelinha...___Mas meu filho, ele está bem! Do ladinho do Papai do Céu! Viveu bem vividos 99 anos! E o nosso pequeno começou a chorar um choro doído. Nunca havia visto um choro dele assim, tão sentido, tão profundo. Ele conheceu a morte. A morte é uma certeza na vida e dela não temos como escapar, saber compreeender e conviver com esse mistério é essencial. Se temos medo da morte, mas aquele medo terrível, isso nos limita, vira doença, crises de pânico que se somatizam em tantas outras patologias. Com medo da morte, morremos mais rápido. Medo faz parte da vida, afinal, se não tivéssemos medo, pularíamos com mais facilidade das alturas. Precisamos viver sem medo de morrer, viver apenas. Gozar das boas experiências e sofrer com as dores que nos afligirem, mas não se amarrar no medo que mata. Nos abraçamos e tentamos consolar nosso filho. Passou. Pouco tempo depois eu estava estudando quando o homenzinho da minha vida chegou, timidamente, e perguntou se estava me atrapalhando, disse que não. Ele olhou nos meus olhos e declarou:__Papai eu te amo. Dei um beijão nele e um abraço bem gostoso. Li, naquela declaração, todo o medo de uma criança em perder quem é por ele amado. Fiquei emocionado em ver como o meu menino está tratando os seus sentimentos e como ele me recorda eu mesmo. O amor a gente conhece na simplicidade da vida, não podemos deixar o nosso amor para quando já não estiverem ao nosso lado. Amar é agora! Ahhh Papai do Céu...Olha com carinho por todos nós e cuide bem do bisavô Luiz! Na foto, Lorenzo, bisavô Luiz e, sem camisa, mostrando o peitoral, o priminho Francisco.

domingo, 6 de março de 2022

O tratador de vídeos morava na Itália com sua esposa.

O tratador de vídeos morava na Itália com sua esposa. Tudo seguia em plena normalidade até que sua deusa romana quis seguir por outros caminhos. Triste e amargurado, decidiu voltar para o Brasil com uma mão na frente e outra atrás. Assim que chegou, recebeu uma proposta de emprego que mudaria completamente os rumos da sua vida: seria vendedor de predras preciosas. Se instalou num garimpo e de lá, fez fortuna. Ficou podre de rico (e feliz). Final feliz. Este foi o roteiro onírico que me veio, do nada. Se dá um filme? Vai saber!

Uma mescla de insanidades efluem no Brasil com a guerra russa na Ucrânia.

Uma mescla de insanidades efluem no Brasil com a guerra russa na Ucrânia. Tudo começou com a visita do presidente Bolsonaro à Rússia. Sem saber o que fazer e o que falar, disse ser solidário àquele país. A fala infeliz fez com que Bolsonaro, mesmo após o início da carnificina do exército russo contra os ucranianos, mantivesse um comportamento pró-Putin, em nenhum momento execrou a guerra e, numa de suas últimas e absurdas declarações, disse que a guerra é "problema de dez mil quilômetros". Mal sabe ele que a venda de fertilizantes para o mercado externo já foi proibida pelo Kremlin e, além disso, o Planalto terá que explicar o quê fazia um vereador da Cidade Maravilhosa na escroque comitiva. Antes deixar o presidente curtindo o Guarujá que, ao menos, a vergonha é nacional. A terrível guerra em andamento acabou bugando a cabeça dos apoiadores do presidente brasileiro: e agora? Continuaremos ucranizadores do Brasil ou apoiadores de ditador comunista??? Nessa onda de loucuras, um deputado da direita paulista viajou para Ucrânia numa possível missão de solidariedade, haja vista, postou fotos em meio às garrafas para produção de armas caseiras num suposto auxílio ao exército em defesa. Mas... da fronteira, também despachou áudios absurdos para o Brasil. Conhecido por Mamãe Falei, o nobre sr. Arthur do Val falou demais e nos fez motivo de chacotas mais uma vez. Desrespeitoso e provando que seus interesses pelo Leste Europeu ultrapassaram as barreiras da caridade, voltou com o rabinho entre as pernas dizendo que foi uma molecagem. Foi mais. Este merece ser banido da política pelos paulistas de direita e de esquerda. Nessa guerra desumana, o único lado que devemos, de fato estar, é do lado da paz. Onde está a diplomacia? Onde ficaram nossas terríveis memórias das últimas guerras? Uma ameaça nuclear encara o mundo. Parabéns para todos nós! É o fim da raça humana e de tudo quanto é vida na Terra! A profecia realista do Einstein nunca esteve tão próxima.

domingo, 9 de janeiro de 2022

As profecias se cumprirão: "não se reelege, não fará sucessão".

Estamos no último ano de castigo e já vislumbramos as luzes mais bonitas do Natal de 2022. A Terra vai tomando a forma oval e a ciência consegue barrar o negacionismo da geral. Geral dos 20% que persistem na idolatria cega ao mito dos reacionários. Esse percentual já foi maior, tanto que colocou o Bolsonaro no poder. Hoje, com a dispersão do MBL, renúncia de alguns generais, fuga de apoiadores e a deserção do Moro, os votos não serão suficientes para uma reeleição. Nem no pior pesadelo o cenário nos chegará. Uma leva de arrependidos renova o coro da esperança. Divertido é ver bolsonarista migrando para o morismo: pensa em algo para risadas! Era tudo mentirinha mesmo? Cadê o brio? As profecias se cumprirão: "não se reelege, não fará sucessão". Acaba nesse ano. Talvez, por mera imitação, o presidente derrotado incentive seus 18% a invadir o senado e insista na narrativa das urnas eleitorais fraudulentas, mas nossa democracia vencerá. É normal que a porcentagem caia diariamente. O país precisa se livrar de vez daquele que jamais poderia ter chegado onde chegou. Como chegamos nesse ponto tão fora da curva? Nos tornamos o gado rumo ao abatedoudo. O mito da honestidade, da fidelidade, das falsas verdades vai, a cada dia, se dissipando no espaço sideral. O nacionalismo exarcebado e o puritanismo movido por princípios religiosos servem, apenas, para camuflar toda sorte de comportamento hipócrita. Que tudo se desintegre! E que cada partícula caia nas profundezasa do esquecimento de quem entra para História enfeiando o lado ruim das páginas. O presidente da morte. Brincou com a morte do próprio povo, desmereceu o luto de tantas famílias, negou medidas mínimas de combate à pandemia, boicotou a vacinação, riu das nossas desgraças e nos deu a conta das motociatas, dos passeios incessantes e de outras ações de politicagem. Sacanagem. O mito é a imagem do que nunca deveria ter sido. Terror daquilo que vivemos, como diria o Neymar para moça que ele levou pra Paris. Nosso convite é sair da caverna! Que venham as luzes do Natal de 22 e os fogos (sem estampidos!) da virada para 23! Voltaremos a fazer parte do clube da ciência, das sociedades que protegem o meio ambiente e dos governantes que valorizam a vida. Não! Não tem nada a ver com comunismo! Nem com experiências onde somos cobaias! Qualquer situação tem mais luz e dignidade que os quatro intermináveis anos de castigo que custaram mais de 600.000 vidas.

domingo, 2 de janeiro de 2022

Chegou um cara trajando uma camiseta amarela da seleção brasileira

O desafio era saltar de um avião e pousar num pequeno ponto da belíssima Kuala Lumpur. A ideia não foi minha, viajei de Amsterdã, onde estava hospedado, para Malásia só para ver de perto essa aventura. Um esportista radical local estava fazendo o desafio para entrar no Guiness. Sentei-me num bar de mesas postas na calçada, de onde eu admirava a rotina daquele povo e espiava as janelas dos prédios residenciais. Enquanto aguardava, uma operação de marketing da GM acontecia bem ao lado. Penduraram um camaro amarelo numa falésia e colocaram uma mulher loira do lado. A moça jogava os cabelos e pousava pra foto. Nesse meio tempo o paraquedista acertou o alvo. Bandeiras da Red Bull trepidavam por todos os lados. O rapaz, um malaio da gemma, sorria e, em inglês, agradecia a todos. Chegou um cara trajando uma camiseta amarela da seleção brasileira, logo, presumi que era brasileiro. E era. Fez um convite para almoço e, de cara, disse que era de direita. Não perguntei nada mas ele se apresentou assim. Falei que tinha comido muitos doces holandeses e que estava de barriga cheia. Ele disse que fazia parte do staff do saltador e que vivia há alguns anos no país, mas que o pais dele era o Brasil. Amém. Depois disso acordei e fui escovar os dentes.