segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

"vende-se um corcovado com bondinhos acoplados"


todo começa com uma moedinha de um real.

pega uma aqui, outro ali.

engana ali,

trapaceia aqui.


"vende-se um corcovado

com bondinhos acoplados"


ps. sem os bondinhos é mais barato!


não!

nada de compactuar com a síndrome da corrupção!

nada de aceitar os golpes goela abaixo!

não!


esse um real vai ficar caro...

arriégua!!!!!!!!!!!!


nessa terra onde o oriente é médio
e o ocidente é grave,
onde os estados se cercam de barreiras alfandegárias e tabus sanguinários,
e os ladrões mandam a gente tomar

cuidado.

arriégua!!!!!!!!!!!

peça um novo começo
para um novo fim.

pijama é pra dormir!


pijama é pra dormir!
não é pra sair por aí!
pijaminha de bolinha,
de mocinha,
de coisinha...
usa-se em casa.
só em casa!
mamãe não gosta disso não!
sair por ai... abrir portão... não!
que indecência!
bote a mão na consciência!
é festa do pijama? isso é noitada?
então volte pra cama!
o reencontro do pijama
com a calça amarrotada.

sábado, 29 de janeiro de 2011

já vais tarde


que coisa estranha é essa tal de saudade.
a gente não conhece isso em outro idioma.
só em português.
saudade é quase um bioma brasilis.
em português brasileiro então?
em português brasileiro mineiro?
meu Deusssssss!!
em português brasileiro mineiro dos triângulos das bermudas estampadas de mineirices??
vixiiiii!!!!!!!!!!
pior ainda!!!
em português brasileiro mineiro dos triângulos das bermudas estampadas de mineirices überlands???
nãaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaooooooooooooooooooooooooooooooooooo!!!!!!!!!!!
saudade é uma coisa louca
que avassala,
que desnorteia,
que faz da gente
uma bússola sem a setinha que aponta o rumo.
saudade de você?
de embriagar-me de água?
de lavar-me dos pés à cabeça?
esqueça dona saudade...
já vais tarde.

onda árabe de democracia!


uma onda de democracia passa pelos países árabes
onde o reinado é ditatorial, onde liberdade é
apenas uma palavra em desuso.
onde liberdade não é uso,
onde ser livre
é um abuso.

uma onda de esperança passou pela tunísia,
e trouxe consigo a sonhada democracia.
onda que seguiu por outros cantos do mundo árabe.

egito, líbano e iêmem:
todos sonham também.

articulações, gases, bombas, balas, cadeias, torturas, violências, mortes.
nas tentativas, azares e sortes.

ditadores de décadas,
reis eternos,
modas,
proibições,
censuras,
forças intrépidas,
olhares ternos,
vidas,
ressurreições,
rasuras.

todos querem conhecer a liberdade,
todos querem sonhar e, por que não
realizar!?

onda árabe de democracia!

onda tardia
de medo
daquela covardia
sincera
dos opressores
compressores
ditadores
só de dores.

corrupção,
nepotismo,
prisões injustas,
mortes injustas,
pobreza,
raquitismo,
sofocamento,
falta de ar
no arcorão.
porão de humanidades.

zine el abidine ben ali, 23.
hosni mubarak, 30.
michel suleiman, instabilidade.
ali abdullah saleh, 32.

e quantos mais que desgovernam
as ricas nações de petróleos e gentes.







quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

uma surpresa você vai tê!


uma viagem para sp.
uma viagem pra grande sp.
em tempos de chuvas?
corra das ladeiras!
das baixadas!
das margens do tietê...se não....

uma surpresa você vai tê!

mas...contudo, faça tudo certo
e tome os devidos cuidados!
assim, você estará à salvo!

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

é singular.

amar é uma coisa singular.
a gente pensa que sabe....
a gente pensa que era...
a gente, quando vê, percebe que é algo muito mais! que nos molha! que nos queima! que nos faz!

é singular.

não passo o terno.


eterno sempre
será terno
mesmo que
não passo o terno.

e nele tava escrito que o UEC é campeão!

um estranho zumbido
faz em meu ouvido
zum zum zum...

acho que estou perdido!
como poderei escutar um blues?
zum zum zum...

um blues é fácil...
mas..
e o canto dos passarinhos?

opa!
tudo bem!
passou o avião!
e nele tava escrito que o UEC é campeão!

tomar um castigo assim é bom.


tomar um castigo assim é bom.

ficar ao seu lado não é castigo.

castiguim de meio minuto??

muito bom!

assim que eu gosto.

em meio minuto valem perdões, súplicas, clemências, rezas, misericórdias...

louvado seja!

não fiquei preso ao desmerecido castigo!

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

que coisinha meiga......


venha! entre!
mas...
não! não se incomode!
vamos!
entre!

_ abre a geladeira... a janta nas panelas, ovos, queijo, um champagne de uns três natais atrás, água, verduras...

quando está comendo você demora mais...

ah!

só quero que fique aqui comigo mais um pouquinho....
aperta! beija! e...tiau......

que coisinha meiga......

sábado, 22 de janeiro de 2011

as aventuras submersas

as aventuras submersas
no meio de dois dias da semana.
muito fogo nas águas thermais,
e um balde de água fria vindo das torneiras.

há um chiclete jogado no chão


há um chiclete jogado no chão.
nele, percebe-se uma vida.
alguém passa e pisa,
parte, levando uma parte.
chiclete é arte.
envolve ruas e calçadas
com as cores verde,
vermelha, rosa e branca.
chiclete no chão
também é falta de educação.
mas...
toda regra tem a sua excessão:

chiclete no cantinho da parte externa da piscina de águas quentes, num lugarzinho onde ninguém poderia pisar e onde ninguém veria, mesmo com os olhos abertos, deixado ali por comodidade e não por preguiça, mais por uma questão de logística, e que, mais tarde, poderia ser encaminhado para uma lixeira distinta.

essa é a única excessão.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

mais uma fonte explode perto de mim!


uma volta nas águas dóceis e quentes
e lá vou eu meter os pés nuns gêiseres!
oooooooba!!!!!!!!!queima sola!
me consola!
lagoas acima de 50 graus!
mais quente a cada degrau.
mais uma fonte explode perto de mim!
isso tá sendo!
isso tá vindo!
isso é bem vindo!

ou come saberes do professor strauss


com a força do pensamento
faço levitar as coisas ruins
e mandar pros confins
do mundo, até que, n´outro segundo,
lá tô eu novamente,
deixem que me levi!
tribo dos levitas!
com a força da mente e tal,
querendo fugir do carnaval,
achando graça de qualquer
bobo da corte
que se julgue
cortês,
que se acha cômico e nunca mambembe,
que, pasmem,
se parece com uma vaca louca
daquelas que masca masca e lambe lambe,
ou come saberes do professor strauss
em tempos tristes,
em trópicos quentes.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

condição sine qua non


condição sine qua non

que você só peça o que é bom.


jogue fora suas roupas novas

e taque fogo nas velhas!


e agora josé?


dar-te-ei novas calças

compradas em além mar.


posso doá-las?

nas asas do vento forte

nas asas do vento forte
quero provar minha boa sorte
e bater em disparada
direto pros bracinhos da amada!

sábado, 15 de janeiro de 2011

dócil como o canto dos uirapurus


todo todo,
assim que vou sendo,
todo todo,
quando você vem me encontrar.
todo todo vou ficando
quando sua voz começa a soar
dócil como o canto dos uirapurus,
e vem me cantando coisas
que eram inimagináveis,
que eram só suas mesmo.
todo todo,
assim vou sendo,
assim vou ficando
quando começa
a cantar-me...

sumo

me arrumo,
me espero,
lá pelas horas certas,
sumo.

Um olhar sem saída


Um olhar sem saída,
sem solução.
apenas espera o rumo dos
ventos.

olhar de lamentos:
o caminho que era,
as pessoas que eram,
as decisões,
as ondas.

e agora um olhar perdido,
sem rumos, machucado,
sofrido.

olhar em volta e não ter
para si outros olhos,
buscar nos tempos idos
as causas que os fazem assim,
lacrimejantes, silenciosos.

para baixo, para os lados e
ver tudo que o faz sofrer.
para cima, o verde azul de uma esperança cega que,
não se sabe quando, mas sabe.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

mais uma página deprimente de chuvas e lágrimas no brasil


contamos um.
mais um.
mais um.
e mais e mais e mais.
e botamos a culpa em são pedro.
em Deus.
nos pobres.
nas encostas fracas.
nas ocupações ilegais.
nas coisas em volta.
afinal?
de quem é a culpa?
mais uma página deprimente de chuvas e lágrimas no brasil.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

esqueça suas chaves todas comigo!


minha estrelinha,
seu brilho é que me faz sentir calor!

minha água,
tua nascente é que me mata a sede!

minha pedrinha,
você é que quero em meu caminho para sempre!

minha sargenta do corpo de bombeiros militar de minas gerais!
você tá cheinha de moral!

hora...
para com essa história de que eu não ligo mais pro 193,
e nem pro 08009407272!
ou mesmo pro 116!
é você!
minha correnteza!
minha leveza!
minha pedradinha na saudade!
minha esperancinha verde!

vai!

esqueça suas chaves todas comigo!
quero isso!
um dia não volto para devolvê-las!
daí, você terá que vir buscá-las....
e jogarei todas num bueiro
em dia de tempestade.
quem sabe não as dê para um cão faminto?
daqueles que não vivem em quintais?
cuide para que este molho
não suma em meio à macarronada.

tudo vale a pena

tudo vale a pena
quando o que
se tem
vem da
pena.

não vejo mais pela janela dos pés


não vejo mais pela janela dos pés
os nós que fechavam as passagens.
apesar da insistência, a chave continua
rodando sem pensar em parar.

as janelas sucumbem ao pisar mais embrutecido.
as cortinas cerram
a serra atrás do cerrado.
árvores tortas,
peles ressecadas,
marcas de um tempo enlouquecido.

um mar de vento vem
trazendo consigo árvores e animais silvestres.
um funil descido do céu
faz tornar em
tornado
a doçura
lacerante.
janelas me calam.
vi com os olhos terrestres
as coisas mais férteis
que a imaginação
poderia fazer brotar.
uma nascente
de água doce.


terça-feira, 11 de janeiro de 2011

sei que terei que pagar pra ver

um novo estilo de governar.
menos conversa,
menos sorrisos,
menos popularidade.
mais o que?
sei que terei que pagar pra ver.

quem espera, espera.


espero.
com a força do pensamento,
com o ar de não ter documento,
com pesar de não querer esperar.

aguardo e confio.
quem espera alcança?
quem caminha cansa?
quem espera sempre alcança?
quem espera, espera.
é melhor ir devagar do que nunca chegar?
é melhor rir.
quem corre cansa,
quem caminha alcança?
quem espera, dança.
mexo nos papéis.
mexo em tudo.
transformo as gavetas
em coisas banais.
quero correr,
não quero me cansar.
bem, se me cansar,
quero, apenas, Água.

sábado, 8 de janeiro de 2011

gosto quando bons ventos te trazem até mim


gosto quando bons ventos te trazem até mim,
querem alegrar-me.
a brisa que te envolve te faz parecer aquelas fotos em anúncios publicitários
onde as madeixas da modelo voam, dando aquele ar de montanha na carinha.

é até bonito.

bom mesmo é saber desses bons ares que te trazem...
como me enchem de felicidades verdes!!!!!!!!
obrigado por sua visita dona chuva inteira de cristais!
sabe de uma coisa?
quero mais!

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

muletas?


sorte te encontrar hoje.
passamos boa parte do tempo juntos.
corremos.
fizemos muitas coisas.
sei que as coisas voltarão aos seus lugares.
andando, correndo
e dançando nas chuvas de janeiro!
muletas?
pra quê muletas?
eu quero mais e te ver andando!

capô voando na BR.


desespero em três dias.
brigas.
confusões.
capô voando na BR.
falta de medicamentos na rede pública.
falta de espaço.
falta de gente.
mudança.
casa finalmente.
destratos entre os irmãos.
cachaça entre eles.
despensa vazia.
cansaço.
viagens perdidas.
horas em vão.
sede.
muitas sedes.
explicações.
justificativas.
esclarecimentos.
ok.
tudo certo.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

plantar o que é bom para colher o que é melhor.


vamos abrir uma conta
para guardamos nossas cotas de carbono.
é a conta da esperança.
verdinha de esperança...
ecologicamente correta
como tudo precisa ser nestes dias de climas estranhos
e seres destruidores humanos.
vamos! pensar no hoje e no agora,
plantar o que é bom para colher o que é melhor.
aqui dentro e lá fora...

nossa nova e primeira presidenta assumiu este país brasil!


ela chegou!
debaixo de muita chuva, como se lavasse o congresso(?).
mulheres correndo atrás do R&R,
homens de preto por perto,
discursos,
lágrimas
e despedidas.
dragões da independência com rabos molhados.
o povo espera promessas.
cumpridas.
nossa nova e primeira presidenta assumiu este país brasil!

domingo, 2 de janeiro de 2011

a criança nasceu hoje!


a criança nasceu hoje!
nove meses depois de sua concepção.
nem mais, nem menos.
nove meses cravados.
festa! alegria! comemorações!
almoço surpresa em família!
sorria!
nove meses de vida!
agora, inicia-se um novo tempo na vida da criança bebê.
voltemos ao primeiro mês.
o primeiro mês de vida deste bebezinho original.
um bebê que traz consigo um novo elemento da natureza:
o JpJa.