segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

ajoelhei e agradeci.


grande parte das mercadorias do brasil chegam até nós através de caminhões,
e esta sempre foi a pior alternativa para o nosso país.
devido ao grande território e as péssimas condições das estradas, o transporte rodoviário
não é o mais indicado.
infelizmente, por conta dos interesses comerciais,
sobretudo, com a chegada das primeiras montadoras de autos,
o governo preferiu investir nas rodovias.
o erro estava feito, e, como se não bastasse, continuamos errando.

as ferrovias ficaram paradas no tempo.
sem novas linhas férreas e sucateando a existente,
os trens foram quase extintos.
e as ferrovias seriam a melhor opção para o país,
o relevo colabora e as distâncias continentais seriam cortadas em viagens mais seguras e mais econômicas.
depois das ferrovias, a segunda opção para o brasil seria a navegação de cabotagem,
ou seja, usar os rios.
como temos rios...e quase todos navegáveis!
mas não...o brasil seguiu os conselhos (e interesses) do tio sam,
e de outros tios e tias da velha europa.

hoje, temos uma extensa e abandonada malha rodoviária.
para fluir melhor, pagamos pedágios (como se já não bastassem os altos impostos...).
e assim, vemos o brasil inteiro seguindo nas carrocerias dos caminhões.

e caminhoneiro, que me perdoem as exceções,
carregam dentro de si um "q" de psicopatas.
levado pelo tamanho dos tratores, reboques e semi-reboques,
dirigem como se estivessem sós.
movidos pelos motores a diesel e pelas drogas todas que os mantem zumbis ao volante,
ultrapassam nas curvas e faixas contínuas, passam repentinamente para faixa esquerda da pista sem se preocupar se você está mais rápido logo atrás, colam na sua traseira numa ladeira, seguram o trânsito nas subidas sem a sutil gentileza de facilitar a passagem dos veículos leves.
não veem nada.
não se preocupam com as vidas que estão nos carrinhos.
possuem apenas uma palavra na mente:
chegar.
não importa se para isso tenham que dirigir 24 horas seguidas.
definitivamente,
não se preocupam com as outras vidas,
ou melhor, nem com eles mesmos.

nas minhas viagens pelo centro oeste brasileiro,
por diversas vezes, me vi em apuros por conta das imprudências dos psicopatas do asfalto.
mas, no dia 26 do 1 de 14,
por pouco,
não vivenciei a minha última experiência com esses malucos das estradas.
estava a mais de 100 quando, no km 148 da br050, fui surpreendido por uma carreta
gigante que, ao sair de um posto, entrou na pista como quem entrava num lava-jato em dia de sol e sombra.
aquela coisa simplesmente surgiu na minha frente,
bloqueando a pista completamente.
pisei forte no freio e ao mesmo tempo tentava desviar para direita.
passei cantando os cânticos tristes dos pneus e tirando um fino daquilo tudo.
bati forte no meio-fio e voei como em dakar.
fui cortando mato e quase capotando numa ribanceira esquisita.
paramos.
estávamos vivos!
dentro do carro, uma bagunça generalizada.
as coisas flutuaram...
mas...
estamos vivos!
segundo testemunhas, o psicopata deu uma olhada para o lado e foi embora.
estava tudo bem com ele e,
certamente, não poderia perder tempo tentando ajudar suas vítimas.
muitas pessoas gritavam lá de cima:
__alguém se machucou?? tudo bem aí??
__tudo bem...obrigado...
__foram perseguir o vagabundo pra pegar a placa!
__...obrigado...ta bom...
com muita dificuldade, consegui abrir a porta do meu lado.
do lado do passageiro a porta emperrou devido a um amassamento.
meu pai estava ao meu lado,
muito assustado e ofegante,
saiu pelo lado do motorista.
50km antes havia parado para um carona.
ele também passou pelo susto,
mas, logo que o carro parou,
nem sei como, o carona saiu e sumiu.
não sei se ele se feriu.
não sei se alguém o viu.
ele, simplesmente, sumiu.

no meio dessa bagunça toda, sempre aparecem os anjos.
um casal que ia para brasília ofereceu ajuda.
levaram meu pai ao destino que não pude chegar.

no lugar nem sinal de celular
e os orelhões disponíveis não funcionavam.
me emprestaram o telefone do restaurante
e dali fiz 3 chamadas.
duas horas e trinta minutos depois
a prf chegou, de cara, me deu um bafômetro.
fiz o teste sem reclamar,
afinal, não fui comemorar a vida bebendo.
depois dos relatos, me orientaram a fazer um churrasco quando chegasse em casa.
disse que não sou de comer carne.
foram embora, mas antes me disseram:
__o cara entrou na sua frente, fez a cagada e não prestou socorro..pode ter certeza que não tem seguro e que dificilmente você vai ser ressarcido.
__...obrigado...já tive o merecido...

tudo aconteceu às 15h30,
às 21h00 meu guincho chegou da terrinha,
e lá se vai mais uma hora tentando arrancar o carro do mato.
contamos com a ajuda de funcionários do posto.
um outro viajante me ofereceu comida e água gelada.
sempre tem gente boa pra ajudar.
01h30 cheguei em casa.
tudo ficou muito caro,
mas não há nada mais valioso que nossa própria vida!
depois de uma boa lavada na lataria,
ajoelhei e agradeci.



2 comentários:

Alice Albernaz disse...

Nossa primo que situação difícil que vcs passaram , mais eu vejo o cuidado de Deus por ter protegido vcs e sei que Deus cuidara de tudo pois a justiça Divina é bem maior do que a da terra , vai da tudo certo ! Agradeço a Deus pela vida de vcs ! Conte com a gente pro que precisar .

Guilherme Medeiros disse...

Ja passei por algo parecido com caminhoneiros aqui. Graças a Deus estamos bem!