quinta-feira, 26 de março de 2020

a resposta ideal


a resposta ideal:

excelentíssimo senhor presidente da república,
excelentíssimos senhores deputados e senadores,
povo do mato grosso do sul, povo brasileiro.
diante da atual conjuntura, não posso fechar os olhos
para as medidas contrárias de combate a pandemia
que assola o mundo.

a covid-19 é uma realidade e os óbitos
confirmados até agora no país não são meros números.
não podemos cometer os mesmos erros que alguns países
pelo mundo cometeram e, nesse momento, estão
pagando com vidas o colapso do sistema hospitalar
de suas respectivas nações.

o brasil é um país continental, temos a nosso favor,
um sistema público de saúde universal
e uma população ainda jovem,
somos um povo adaptado às noções básicas de higiene,
somos um povo guerreiro mas não somos imunes
a este novo vírus que, ainda, é um mistério para a ciência.

diante dos fatos, me coloco contrário à posição
do excelentíssimo senhor presidente da república,
jair messias bolsonaro, de cancelar qualquer quarentena,
de expor a população a uma contaminação massiva,
de priorizar o movimento da economia em
detrimento aos cuidados vitais exigidos no momento.
não posso, como médico que sou, ir contrário
ao que é óbvio e sensato,
não posso, de maneira alguma, ser contrário ao juramento
que fiz quando formei-me médico.
me recuso a acatar as orientações, ora exaltadas,
pelo excelentíssimo senhor presidente da república.
me oponho ao que for contraditório às determinações
da organização mundial da saúde, autoridade máxima
na área e que tem se esforçado no combate a essa pandemia,
que já se comprova avassaladora.

não podemos ceder à pressão do mercado,
trocando valiosas vidas humanas por riquezas.
uma vida perdida, apenas uma, não vale a pena o risco.
sei que o brasil e o mundo entrarão em recessão,
sei que podemos estar diante de uma crise desafiadora,
mas conseguiremos passar por ela com vida,
ao lado dos nossos idosos mui amados.

diante da minha opinião e posicionamento contrário,
sei que serei desligado do cargo, afinal, este é o jogo político.
portanto, antes de uma exclusão sumária,
apresento, nesse momento, em respeito ao povo brasileiro,
minha carta de renúncia ao cargo que ocupei até agora.
saio desse ministério de cabeça erguida e com a consciência
de que fui pelo caminho certo.
agradeço ao excelentíssimo senhor presidente,
jair messias bolsonaro,
mas não posso continuar nesse governo
como se nada estivesse acontecendo,
não posso vender a minha alma
em troca do status de ser ministro
nesta honrada pasta,
não quero entrar para história do meu país
como o médico que deixou seu povo ser consumido
por um vírus, por mera vaidade e conveniência,
para satisfazer o orgulho ferido do presidente da nação
e a falta de humanidade dos grandes empresários.

lamento pelo meu partido,
lamento pelo meu estado,
lamento pelo povo brasileiro.
peço desculpas se erros cometi,
mas tenho certeza que não os cometerei mais.

a resposta real:

"E eu vejo nesse sentido a grande colaboração da fala do presidente.
Chamar a atenção de todos que é preciso pensar na economia.
Que as igrejas fiquem abertas, mas não se aglomerem.
Temos que melhorar esse negócio de quarentena, não ficou bom".



Nenhum comentário: